ESPECIAL #18: VOCÊ SABIA? NAOKO TAKEUCHI

15/03/2018


A LUZ DA LUA CARREGA UMA MENSAGEM DE AMOR

ESPECIAL #18


A infância da década de 90 foi embebida de muitas animações japonesas que marcaram a história; e uma das mais famosas, sem sombra de dúvida, é Sailor Moon, a obra da mangaká Naoko Takeuchi.

Takeuchi nasceu em 1967, na cidade chamada Kofu, que é a capital da província japonesa de Yamanashi-ken. Embora desde muito jovem desenhasse mangás, a autora se graduou primeiro em Química pela universidade Kyoritsu Yakka Daigaku, lugar em que se especializou em ultrassonografia e utilitários médicos; e, também, licenciou-se em farmácia, para depois dedicar-se ao ofício que mudaria completamente a sua vida em, literalmente, inúmeros aspectos.

Aos dezoito anos, Naoko Takeuchi já era uma mangaká premiada, pois foi nessa mesma época que sua história Yume ja nai no ne ganhou um prêmio especializado para mangakás novatos. No ano seguinte, outra história sua, Love Call, foi premiada e, inclusive, publicada pela revista Nakayoshi Deluxe.

Nessa idade, Naoko, já muito talentosa, dividia o seu tempo entre criar histórias e desenhar mangás com o seu trabalho no hospital.

Há quem acredite que a primeira história de sucesso de Naoko Takeuchi tenha sido Sailor Moon; no entanto, embora seja a mais conhecida, a primeira que ficou bem visível no mercado japonês foi The Cherry Project, narrativa de três volumes sobre patinação artística.

Assim que acabou The Cherry Project, a mangaká não parou quieta e sua mente criativa, em seguida, começou a criar uma narrativa que chamaria muita atenção da Toei Animation: Codename wa Sailor V. O estúdio de animação não somente ficou empolgado, como também incentivou a autora a expandir o seu universo. Dessa forma, nasceu o que conhecemos hoje como Sailor Moon.

O interessante é que, no mesmo ano, o mangá se tornou anime e, definitivamente, foi um sucesso que ultrapassou barreiras, levando em conta não somente um empoderamento feminino e superação de personagens, como também representatividade em diversos níveis.

Ela publicou a história de Usagi de 1992 (na verdade, extraoficialmente em 1991) até 1997, o que totalizou 18 volumes. Após encerrar Sailor Moon, a autora ainda ganhou mais um prêmio: o 17º Prêmio de Mangá da Kodansha.

Após a sua obra que é aclamada até os dias atuais, Takeuchi voltou a escrever histórias curtas; inclusive, na mesma época, transferiu-se da Kodansha para a Shueisha, lugar no qual conheceu o seu marido, o famoso mangaká Togashi Yoshiro, também adorado por diversos fãs.

Como a autora diz em entrevista, o casamento modificou bem a percepção dela como mangaká; além disso, com Togashi, autor de Yu Yu Hakushou, possui dois filhos, um menino e uma menina. O casal está junto até os dias de hoje, enquanto ele mais joga do que produz, ela mais produz, embora a sua produção de mangás publicados tenha ficado estagnada desde 2006.

A mangaká é extremamente tímida e foram poucas as suas aparições em público e até mesmo entrevistas, fossem focadas nela ou no marido. Ainda que sua timidez a atrapalhe, continua sendo considerada muito gentil e simpática; como ocorreu quando apareceu, em 2016, para prestar homenagem à patinadora russa Evgenia Medvedeva, que fez uma apresentação caracterizada de Sailor Moon em homenagem à obra que tanto adorava.

Muitas informações biográficas estão na sua autobiografia, em formato de mangá, intitulada: Princess Takeuchi Naoko's Return-to-Society Punch, de 1998. Sem sombra de dúvida, a partir de sua obra, Naoko Takeuchi nos ensinou muito e, através da Lua e das guerreiras que protagonizam sua história, enviou-nos muitas mensagens, mas uma em especial: amar o próximo, independentemente, pois é o amor que importa