ESPECIAL #14: VOCÊ SABIA? HARLAN COBEN

04/01/2018

A ARTE DO IMPREVISÍVEL

ESPECIAL #14

Quando se trata de suspense policial e reviravoltas inesperadas no enredo, Harlan Coben faz jus à fama que tem. Não foram raras as noites que passei na companhia de seus livros, tentando descobrir quem era o verdadeiro culpado dos crimes ou desaparecimentos - e falhando. Sempre.

O inesperado, entretanto, é apenas um dos elementos que faz de Coben o escritor extraordinário que é. Não é sem motivo que ele foi o primeiro autor a ganhar a trinca de prêmios mais prestigiada da literatura policial norte-americana - Edgar Award, Shamus Award e Anthony Award -, além de, atualmente, ser traduzido para mais de 43 idiomas e de ter se tornado número um de vendas em mais de doze países.

Harlan impressiona não só por sua espantosa criatividade, mas também por sua vasta produção. Aos 55 anos, conta com cerca de trinta e um romances publicados. Os dez últimos, A Grande Ilusão (Fool Me Once), Não fale com estranhos (The Stranger), Que Falta Você me Faz (Missing You), Seis Anos Depois (Six Years), Fique Comigo (Stay Close), Alta Tensão (Live Wire), Cilada (Caught), Quando Ela Se Foi (Long Lost) Confie em Mim (Hold Tight) e Home (não publicado no Brasil), estrearam todos em primeiro lugar na lista de best-sellers do The New York Times, jornal norte-americano. Seu personagem mais famoso, Myron Bolitar, possui uma série própria, de grande aprovação por parte da crítica, que já contabiliza onze romances; seu sobrinho, Mickey Bolitar, acabou ganhando também livros exclusivos, embora ainda sejam bem menos numerosos que os do tio - somam, até agora, três publicações.

Como nem só de livros vive o homem, Coben também assina contos, ensaios e colunas, sendo, inclusive, o primeiro escritor em mais de uma década a ser convidado a escrever ficção para o The New York Times. Além disso, é criador e produtor executivo de dois programas: SAFE, série original Netflix; e Harlan Coben's The Five, que, apesar de não ser original da Netflix, também encontra-se disponibilizado nela, embora apenas nos EUA e Canadá.   

Não só uma, mas três de suas obras já receberam adaptações francesas. Não conte a ninguém (originalmente, Tell No One) foi adaptado, tornando-se um filme, que, assim como o romance, foi bastante premiado, vencendo o Lumiere de melhor imagem e quatro Cesars. Ambos os prêmios são os correspondentes franceses do Globo de Ouro e do Oscar, respectivamente. Além disso, Não Há Segunda Chance (No Second Chance) e Just One Look (não publicado no Brasil) foram transformados, cada um, em uma série de seis episódios, disponibilizadas na Netflix; infelizmente, não no Brasil.

Harlan já recebeu diversas honrarias ao redor do mundo, algumas das quais nada tem a ver com a escrita, como a presença do seu nome tanto no Hall of Excellence da Little League of Baseball, quanto no New England Basketball Hall of Fame.

Nascido em New Jersey, onde ainda mora com a esposa e os quatro filhos, Harlan Coben, para mim, é o tipo de autor do qual compramos um livro e, quando nos damos conta, temos mais oito na prateleira. É o tipo de escrita e o tipo de história que nos faz virar a madrugada rodeados de perguntas cujas respostas sempre surpreendem, por mais que juremos que daquela vez não vão.

Parabéns, Harlan. Diferente de você, eu apelarei para o clichê.

O aniversário é seu, mas o presente é completamente nosso.