DESAFIO MEMÓRIA DOS MORTOS #03: A MELHOR RESENHA

18/12/2017


"AMOR" SE ESCREVE COM QUATRO PATAS

"Quando Você Partiu", da escritora Hunter Pri Rosen, pode parecer uma história superficial e rasa à primeira vista, em função da pouca quantidade de palavras impostas pelo desafio de Drabbles e Doubles. Tudo não passa de um ledo engano, uma vez que a história é recheada de sentimentos muito reais e palpáveis, entre eles, a dor da perda e a consequente superação advinda dela. Tudo se inicia com a perda de um companheiro por mal súbito e, então, a autora inicia uma jornada através de sentimentos e propõe reflexões importantes a qualquer pessoa que tenha um companheiro dotado de patas.

A trama traz uma enorme carga emocional e vai evoluindo gradativamente com o passar dos capítulos, deixando evidente o sentimento que será explorado já no próprio título, o que causa um impacto ainda maior durante a leitura. A dor da perda, a sensação de impotência diante da morte, o remorso e a culpa de não ter tido mais zelo com aqueles a quem amamos e, por fim, o triste alívio da saudade.

Estando o texto limitado a dois capítulos de 100 palavras e mais dois capítulos de 200 palavras, é impressionante como a escrita direta e sem rodeios é capaz de capturar o leitor e embalá-lo no ritmo das emoções já elencadas anteriormente.

Os diálogos são inexistentes, o que não interfere em nada na evolução da narrativa. Tudo não passa de lembranças e divagações do protagonista, que reflete sobre os acontecimentos recentes de sua vida e não busca uma maneira imediata de superar aquele obstáculo. Ao invés disso, ele se permite viver o sofrimento de forma espontânea e verdadeira, de modo semelhante a vida ao lado de sua antiga companhia, que já não é mais capaz de acompanhá-lo.

Com o fluxo perfeito, é impossível não levar a reflexão do texto para dentro de sua própria vida, mesmo que as experiências vividas pelo leitor não estejam diretamente relacionadas com um animal de estimação, mas talvez com até mesmo outro ser humano.

Sem sombra de dúvidas, o momento mais impactante encontra-se no Capítulo 03, em que o remorso e a culpa corroem o protagonista que divaga se poderia ter feito alguma coisa de modo diferente ou até mesmo se dedicado mais ao seu fiel companheiro Bob. É neste momento que se faz necessária uma pausa para nos questionarmos se estamos de fato dando atenção àqueles que nos amam e que dedicam suas vidas a nós de maneira quase devota. Prezamos os momentos juntos ou estamos entretidos demais em nossa realidade virtual que nos distancia de tudo e de todos? Prestamos atenção àqueles que estão a nossa volta, ou a rotina nos impede de perceber qualquer mudança, por mais visível que ela seja?

Os quatro capítulos, apesar de curtos, asseguram que ao final das 600 palavras haverão lágrimas nos cantos dos olhos, uma reflexão pesada não só sobre as coisas efêmeras da vida, mas como as boas lembranças são capazes de cicatrizarem as piores feridas. Elas estarão sempre lá para te lembrar de que o sofrimento é real. E a alegria também.